sexta-feira, 29 de maio de 2009

quarta-feira, 27 de maio de 2009

sábado, 23 de maio de 2009

quinta-feira, 21 de maio de 2009

segunda-feira, 18 de maio de 2009

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Há que procurar um Amante


"Muitas pessoas têm um amante, e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam.
Geralmente são estas últimas que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insónia, apatia, pessimismo, crises de choro, ou as mais diversas dores.
Elas contam-me que as suas vidas correm de forma monótona e semperspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar o tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente a perder a esperança.
Antes de me contarem tudo isto, já tinham estado noutros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme:

"Depressão"... além da inevitável receita do anti-depressivo do momento. Assim, depois de as ouvir atentamente, eu digo-lhes que elas não precisam de nenhum anti-depressivo. Digo-lhes que o que elas precisam é de um Amante!

É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem o meu conselho. Há as que pensam: "Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa destas ?!".

Há também as que, chocadas e escandalizadas, despedem-se e não voltam nunca mais. Às que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico-lhes o seguinte:

Amante é "aquilo que nos apaixona". É o que toma conta do nosso pensamento antes de adormecermos, e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir. O nosso Amante é o que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida. Às vezes encontramos o nosso amante no nosso parceiro, outras vezes, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no desporto, no trabalho, na necessidade de nos transcendermos espiritualmente, numa boa refeição, no estudo, ou no prazer obsessivo do nosso passatempo preferido...

Enfim, Amante é "alguém" ou "algo" que nos faz "namorar" a vida e nos afasta do triste destino de "ir vivendo".

E o que é "ir vivendo"? "Ir vivendo" é ter medo de viver. É vigiar a forma como os outros vivem, é o deixarmo-nos dominar pela pressão, andar por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastarmo-nos do que é gratificante, observar decepcionados cada ruga nova que o espelho nos mostra, é aborrecermo-nos com o calor ou com o frio, com a humidade, com o sol ou com a chuva. "Ir vivendo" é adiar a possibilidade de viver o hoje, fingindo contentarmo-nos com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã.

Por favor, não se contentem com "ir vivendo". Procurem um amante, sejam também um amante e um protagonista da vossa vida... Acreditem que o trágico não é morrer, porque afinal a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver, por isso, e sem mais delongas, procurem um amante. A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcendental:

"Para se estar satisfeito, activo, e sentirem-se jovens e felizes, é preciso namorar a vida".


Texto: Dr. Jorge Bucay

Livro: "Hay que buscarse un Amante"

segunda-feira, 11 de maio de 2009

A viúva do rabino...



O rabino falece e a sua congregação, após algum tempo, acha que a rebetze (mulher do rabino) deve casar de novo. Como a aldeia é pequena, o único candidato disponível é o açougueiro.


Embora tivesse relutância no início, pois estava habituada a viver com uma pessoa erudita, ela finalmente aceita.


Após o casamento, na sexta feira, véspera de Shabat, após o banho ritual no mikve, o açougueiro diz para a sua nova esposa:

- Minha mãe sempre me disse que era uma mitzvá (boa ação) fazer sexo antes de ir para a sinagoga.


Dito e feito.


Na volta da sinagoga ele diz:

- De acordo com meu pai, é uma santa obrigação fazer sexo antes de acender as velas de Shabat.


Dito e feito, de novo.


Após o jantar e antes de dormir ele de novo diz:

- Meu avô sempre disse que é bom hábito fazer sexo no Shabat.


Dito e feito.


No dia seguinte ele diz:

- Minha tia, judia muito religiosa, disse-me certa vez que um bom judeu não começa a manhã de Shabat sem ter sexo.


E, dito e feito.


Finalmente no domingo, ela vai ao mercado e, todas as amigas perguntam:

- Que tal é o teu novo marido?

- Bem - responde ela - intelectual ele não é, mas vem de uma família maravilhosa!


Sei Lá!

quinta-feira, 7 de maio de 2009

ABSOLUTAMENTE FABULOSO!!!



Há uns dias, numa cidade de França, um cartaz, com uma jovem espectacular, na montra de um ginásio, dizia:

"ESTE VERÃO, QUERES SER SEREIA OU BALEIA?"

Dizem que uma mulher jovem-madura, cujas características físicas não interessam, respondeu à pergunta publicitária nestes termos:

"Estimados Senhores:

As baleias estão sempre rodeadas de amigos (golfinhos, leões-marinhos, humanos curiosos). Têm uma vida sexual muito activa, engravidam e têm baleiazinhas ternurentas, às quais amamentam.



Divertem-se à brava com os golfinhos, enchendo a barriga de camarões. Brincam e nadam, sulcando os mares, conhecendo lugares tão maravilhosos como a Patagónia, o mar de Barens ou os recifes de coral da Polinésia.

As baleias cantam muito bem e até gravam CD's. São impressionantes e practicamente não têm outros predadores além dos humanos. São queridas, defendidas e admiradas por quase toda a gente.

As sereias não existem. E, se existissem, fariam fila nas consultas dos psicanalistas, porque teríam um grave problema de personalidade, "mulher ou peixe?".


Não têm vida sexual, porque matam os homens que delas se aproximam, além disso, por onde? Por isso, também não têm filhos. São bonitas, é verdade, mas solitárias e tristes. Além disso, quem quereria aproximar-se de uma rapariga que cheira a peixaria?
Para mim está claro, quero ser baleia.

P.S.: Nesta época em que os meios de comunicação nos metem na cabeça a ideia de que apenas as magras são bonitas, prefiro disfrutar de um gelado, de um bom jantar com um homem que me faça vibrar, de um café e bolos com os meus amigos.

Com o tempo ganhamos peso, porque ao acumular tanta informação na cabeça, quando já não cabe, espalha-se pelo resto do corpo, por isso não estamos gordas, somos tremendamente cultas.


A partir de hoje, quando vir o meu rabo no espelhos, pensarei, Meu Deus, que inteligente que sou..."
Sei Lá!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Tudo é relativo...



Depois dum acidente de trânsito, no tribunal, o advogado do réu começou a inquirir o Sr. Zé:

- O Senhor não disse, no local do acidente, "Estou óptimo"?

O Sr. Zé responde:

- Bem, vou contar-lhe o que aconteceu. Eu tinha acabado de colocar a minha mula favorita na camioneta...

- Eu não pedi detalhes - Interrompeu o advogado. Responda só à pergunta. O senhor não disse na cena do acidente, "Estou óptimo"?

- Bem, eu coloquei a mula na camioneta e quando estava a descer a rua...O advogado interrompe novamente e diz:
- Sr. Dr. juiz, estou a tentar dar a conhecer os factos neste tribunal. No local do ocorrência, este homem disse ao guarda da GNR que estava bem. Agora, várias semanas após o acidente, processou o meu cliente. Isto é uma fraude. Por favor, poderia dizer-lhe que responda somente à pergunta.
Mas, nessa altura, o juiz já estava muito interessado na resposta do Sr. Zé e disse ao advogado:

- Eu gostaria de ouvir o que tem para dizer.

O Sr. Zé agradeceu ao juiz e prosseguiu:

- Como eu estava a relatar, coloquei a mula na camioneta e, quando estava a descer a rua, um outro camião avançou com o sinal vermelho e abalroou-me lateralmente. Fui projectado para fora do veículo, ficando num dos lados da via e a mula foi lançada para o lado oposto. Muito ferido e sem poder mexer-me, ouvia a mula a zurrar muito. Pelo barulho que fazia, percebi que o seu estado era muito mau.Entretanto, logo após o acidente, os guardas da GNR chegaram ao local. Ao ouvirem a mula naquele pranto, um deles foi até onde ela estava e depois de dar uma olhadela, pegou na pistola e deu-lhe três tiros. Depois, atravessou a estrada com a arma na mão, olhou para mim e disse:

- "A sua mula estava muito mal e eu tive que matá-la. E o Senhor como é que está a sentir-se?"

- O que é que o Sr. Dr. Juiz respondia se estivesse no meu lugar ????


Sei Lá!

E o Povo, Pá??!!



Sei Lá!