sexta-feira, 24 de agosto de 2007

A vez dele... III

Regressei hoje de mais uma das minhas digressões... quem sabe, este fim de semana, vos conto um pouco deste meu périplo.

Por hoje deixo-vos com mais um contributo masculino, desta vez vindo do Zénite, e que ainda que não sendo a continuação da história, da forma como vinha a ser contada, é, ainda assim, uma bela perpectiva da visão masculina sobre os relacionamentos.

Espero que o apreciem!







Amores virtuais - I

O encontro


Tinham decorrido três meses após as primeiras trocas de mensagens entre Pedro e Leonor num blogue da Internet.

Certo dia, ele resolveu enviar-lhe um e-mail.

Dizia-lhe que apreciava as suas tomadas de posição sobre os mais diversos assuntos, que lhe era muito grato comungar dos seus pontos de vista e ideais, e propunha-lhe que continuassem a desenvolver, através do correio electrónico, a amizade que os unia.

Disse-lhe que era divorciado, que a sua idade se abeirava dos quarenta, e propunha que conservassem o anonimato, mantendo os pseudónimos. Não haveria troca de fotos.

Leonor respondeu-lhe que concordava, e acrescentou que também era divorciada e que a sua idade era semelhante à de Pedro. Ambos tinham dito no blogue que trabalhavam em Lisboa.

Passaram a trocar diariamente vários e-mails, e tanto um como o outro afirmavam que as suas vidas agora começavam a fazer sentido.

Pedro ia sempre mais longe que Leonor, que mostrava algum retraimento, moderando as palavras.

Certo dia, Pedro escreveu:

«Sabes, Leonor, que nos dias em que não recebo notícias tuas, uma angústia e saudade enormes tomam conta de mim? Sabes que tenho sede das tuas palavras e que sem elas me sinto completamente desorientado, como se tivesse perdido o equilíbrio? Saberás que sou um homem quase feliz desde que te conheço?»
Leonor não se fez rogada e respondeu-lhe simplesmente:


«Sinto o mesmo, Pedro!»

E assim se passaram alguns meses. Os e-mails eram, de dia para dia, mais calorosos. A chama mantinha-se acesa e cada vez mais flamejante. Estabelecera-se entre Pedro e Leonor uma poderosa atracção, que há muito ultrapassara a amizade. Tratar-se-ia de amor, de paixão? Ambos ouviam falar de amores virtuais. Ambos sabiam que o desejo estava latente em toda a correspondência trocada, mas permanecia imóvel, como que aguardando a oportunidade de se libertar dos grilhões virtuais para avançar pelos meandros do mundo dito real.

Pedro decidiu então sugerir a marcação de um encontro.

Como eram ambos amantes de boa fotografia, resolveu perguntar a Leonor se concordaria com um encontro no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian, na exposição de Daniel Blaufuks, num luminoso domingo de Março de 2004.

Ele esperá-la-ia pelas quinze horas do dia dezasseis daquele mês, tomariam café, visitariam a exposição e deslocar-se-iam em seguida ao Cabo Espichel para assistirem ao pôr-do-sol. E convidava-a a jantar, no regresso, num restaurante de Sesimbra. As previsões meteorológicas apontavam para um dia de céu limpo em todo o litoral oeste.

Leonor, num curto e-mail, escreveu:

« Que surpresa! Ia dizer "e se...", mas estou encantada. Há muito que receava este convite, mas desejava-o. Tu sabes. Aceito.».

Pedro disse-lhe então que se sentaria num dos sofás próximos do snack-bar da Fundação, e que teria numa das mãos “As Rosas de Atacama”, de Luís Sepúlveda. O vermelho do título, bem destacado sobre o fundo em tons de sépia da capa, seria mais que suficiente para uma rápida e segura identificação.

Pedro, apesar de não ser um homem bonito, era, segundo as mulheres, um homem encantador. Havia algo nele que cativava e infundia confiança. Talvez fosse a tranquilidade do seu olhar serenamente castanho, diziam algumas mulheres. Seria, porventura, a sua voz pausada e agradável de ouvir, avançavam outras. Todas concordavam que a sua estatura em muito contribuía para esse encanto.

Elegante no seu metro e oitenta, Pedro vestia, no dia aprazado, um fato azul-escuro e uma camisa azul clara, sem gravata.

Visivelmente agitado, tinha os olhos pregados na escadaria que conduzia ao piso inferior da Fundação, onde se encontrava. Por duas vezes se ergueu do sofá, ao ver que duas mulheres, cada uma a seu tempo, olharam atentamente para ele e depois para o livro. Mas logo desviaram o olhar e seguiram em frente.

Disse, então, de si para si, enquanto fixava um ponto imaginário, algures no espaço:

«As mulheres gostam de mistério! Leonor bem me poderia ter dito que roupa usará hoje, o que trará na mão, enfim, poderia ter-me deixado uma pista. Aguenta-te, Pedro, uma mulher que se preze, é assim mesmo... misteriosa, enigmática, quase mítica, atributos estes que lhe conferem um grande poder, o enorme poder da sedução.»

Após um prolongado suspiro, acrescentou, sorrindo:

«Um homem que se preze saberá respeitar tal atitude feminina».

O solilóquio distraiu-o. Olhava, na ausência de si mesmo, o vértice do infinito.

De repente, como que acordando de um sonho, ouviu uma voz maviosa sussurrar-lhe ao ouvido:

«Olá, Pedro!”

(este é o 1º de uma série de 3 episódios, segundo me disse)



o desejo

esse potente pégaso que galopa a lucífuga ansiedade pelas dunas

que se volatiliza em ondas de felino prazer pela praia deserta

que sobe em espirais etéreas pela escuridão da noite buscando o infinito

essa raiz do fálico hermes que quebranta a feiticeira circe

esse pomo proibido da edénica estância que habita adão

esse oceano insaciado de vagas de carnal lascívia

essa lávica corrente que tudo arrasta e arrasa e consome à sua volta essa rubra e inconforme e inacabada volição

esse perfumado zéfiro que de repente se transforma em violenta tempestade que ruge e brame e freme e carpe

esse númen incitador que não distingue o possível do impossível é ele e só ele que convertido em paixão ardente e aberta e profunda

sai de todos os labirintos resolve todos os enigmas

galga todos os abismos e faz girar o mundo


Zénite




32 comentários:

  1. O Pedro e a Leonor têm um prémio lá no meu estaminé

    ResponderEliminar
  2. ...eu sei..estava apenas a brincar contigo...
    beijinho vagabundo

    ResponderEliminar
  3. eu tambem a estou a ouvir...linda...suave...e palavras belas cantadas por um trovador..

    ResponderEliminar
  4. sim...é isso mesmo que acho dele...
    lembra-me uma estação de comboios vazia...o cheiro...as palavras dele são como esse momento...abandonado e belo...

    ResponderEliminar
  5. Fquei presa aqui elndo tudo...
    Muito interessante!

    beijos

    ResponderEliminar
  6. Maria

    Olá linda.

    Já te fui espreitar, grandes novidades e das boas! Espero que estejas contente :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Poeta Vagabundo

    Que grande chat fizemos por aqui, à conta da música do Jorge Palma :D

    Gosto muito de o ouvir.

    Belíssima imagem essa da estação de combóio vazia... eu não diria melhor :D

    Beijinhos, poeta

    ResponderEliminar
  8. Menina do rio

    Benvinda por cá!

    Ainda bem que gostaste, mas o mérito não e meu, mas do Zénite, neste caso :D

    Beijinho da gata

    ResponderEliminar
  9. Vim espreitar!! hehehehehe

    Parabéns ao autor! Fez-me recordar tanta coisa! Mais uma vez, tantos aspectos em comum! Adorei!

    Convido o autor deste maravilhoso texto a passar no nosso cantinho! Acho que iria gostar! Não achas Nanny???

    Um beijinho querida, e obrigada pelo mimo que nos deixaste! Tem um óptimo fim de semana!
    Cleo

    ResponderEliminar
  10. Uma história que tantas vezes acontece...pelo menos, até agora, nesta fase...
    Que se irá passar depois ? :)
    Beijinho para ti !

    ResponderEliminar
  11. Por momentos...revi-me!

    Beijinhos Nanny e bom fds.

    ResponderEliminar
  12. Cléo

    :D

    Acho sim!

    Zénite, faça favor de aceitar os parabéns e de visitar a Cléo e o seu Júlio César :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Sheliak

    Aguardo que o Zénite me envie os próximos episódios... também eu não sei o resto desta história.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Júlio César

    É engraçado quando a ficção imita a realidade... parece que estamos a ver-nos retratados :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. O primeiro? Agora fiquei com curiosidade... venha o resto!

    Abraço

    ResponderEliminar
  16. 1º capitulo fascinante... venha o resto... :P

    bj

    ResponderEliminar
  17. Alfabeta

    Essa pergunta é para o Zénite, certo?

    Espero que ele te responda.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  18. Marta

    Eu também!
    Aguardo pelos próximos episódios!
    Ansiosamente!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Lb

    Pois é!
    Também estou à espera do resto!

    Disso e do teu contributo, não te esqueças que aceitaste o desafio!!!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  20. António Sabão

    Benvindo por cá!

    Também eu :P

    Aguardemos

    Beijo da gata

    ResponderEliminar
  21. Gomez

    Benvindo ao canto da gata!

    Ficamos a aguardar o resto...

    Beijo da gata

    ResponderEliminar
  22. Nanny

    Vou enviar-te a história completa, agora mesmo.

    Grato pela gentileza dos comentadores. Tu incluída, evidentemente.

    Beijo.

    ResponderEliminar

Agora é a tua vez... diz lá!