quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Responsabilidades, irresponsabilidades e decisões de vida...


Sabem que não é hábito meu falar aqui de problemas da nossa sociedade, de questões políticas, religiosas ou futebolísticas... o que não quer dizer que não pense sobre elas, ou que não tenha opinião. Faço-o por mera opção! Este é um espaço generalista, sempre que possível bem humorado, e de mera distracção.

No entanto, ao folhear o Jornal de Negócios de hoje - não comecem já a achar "Olha a convencida, só para dizer que até lê o Jornal de Negócios...", nada disso! mas preocupo-me se a gaita da taxa de juro do crédito habitação vai subir outra vez - deparei-me com um artigo de opinião da autoria de Camilo Lourenço, que me prendeu a atenção.

Nunca tinha lido nada do referido autor, mas confesso que gostei do raciocínio.

Como alguns sabem, trabalho na área de Organização - reorganização de serviços, reestruturações, fusões e afins - e o meu tipo de trabalho leva-me a, diariamente, pesar os prós e os contras de cada decisão e de cada alternativa a essa hipótese.

De quem é, afinal, a responsabilidade dos excedentes de professores sem colocação (45.000 segundo a informação recém-publicada) ?

Poderemos assacar a responsabilidade ao Ministério, à Ministra, ao Governo, ao Estado em geral?

Todos estes 45.000 profissionais ponderaram devida e suficientemente a sua opção curricular e profissional, antes mesmo de darem início à sua vida universitária?

Quando terminei o ensino secundário tinha uma ideia do que gostaria de vir a fazer na vida profissional. Ao invés da maioria dos jovens de hoje, nunca fiz um teste vocacional (nem nenhum colega meu, que me lembre, o fez), apenas por aquilo que via da realidade tive de tomar das primeiras grandes decisões da vida.

Uma coisa tinha presente na minha mente: Não estava interessada em enveredar por uma carreira de ensino!
Muitos colegas meus pensavam exactamente o mesmo; todavia, as opções de curso, que fizeram nesse momento, empurraram-nos para aquilo que menos queriam: O Ensino!

Se se tornaram bons ou excelentes professores, não sei, nem sequer está aqui em causa... o que retive foi que foram empurrados para a carreira que não queriam, por falta de saída dos cursos que escolheram.

Por oposição, conheço outros casos de pessoas, que, apesar da sua vocação ser para uma área muito específica, abdicaram e escolheram outro tipo de cursos, com uma maior abrangência ou com melhores possibilidades de integração no mercado de trabalho.

Tal como em crianças tivemos de aprender que não podemos ter tudo o que queremos, nem fazer tudo aquilo que nos apetece, também mais tarde, ao longo da vida, temos de perceber quais as consequências das decisões que estamos prestes a tomar.

Se o Estado tem alguma responsabilidade sobre este estado de coisas?
Nem sequer questiono!
Mas poderemos desresponsabilizar-nos das opções que fazemos?

Atirem-me as pedras que entenderem... mas esta é a minha opinião!


Sei Lá!

39 comentários:

  1. Não venho atirar-lhe pedras, embora você merecesse qualquer coisita do género.
    Em relação ao seu texto anterior, peço-lhe que leia o texto que eu escrevi - "Amigos que perdemos, onde é que parais?" Deve estas nas "Peles". Vai-me fazer esse favor? Olhe que o Anwar é árabe.
    Posso deixar um sorriso?

    :-)

    ResponderEliminar
  2. Tempo breve

    Acha mesmo que mereço... mas mesmo, mesmo?!?

    Ainda bem que não vivo num daqueles países que ainda têm pena de morte por lapidação... arre!

    Já li esse texto do Anwar, em tempos... (seriam eles breves?), mas voltarei a lê-lo, prometo.

    Um beijo no seu sorriso

    ResponderEliminar
  3. E é uma boa opinião a tua, Nanny. Com um senão. Como dizia Camões, "todo o mundo é composto de mudança", e, mais tarde, José Mário Branco acrescentou: "Troquemos-lhe as voltas que ainda o dia é uma criança".

    Só que este Governo troca tanto as voltas a tudo o que tem à sua volta, que um aluno que hoje escolha Medicina, o mais certo é ficar no desemprego quando acabar o curso, pois nessa altura, pelas voltas que o mundo dá (está a dar), já só haverá a funcionar, em todo o País, um hospital, uma maternidade e um centro de saúde.

    Gostei da formatação que deste aos "Amores Virtuais".

    Como consegues ter um blogue a funcionar tão impecavelmente? O dom da ubiquidade? :)

    Bj. e o meu obrigado a ti e a todos os visitantes que se pronunciaram. A propósito de um comentário, estou a pensar oferecer os meus préstimos à revista Maria. :))

    ResponderEliminar
  4. Você é alguma coisa ao jogador Nani que foi para o Man United?

    ResponderEliminar
  5. :)

    politikices tou out de todo nannyzita :) é dakelas cenas q me passam memo ao largo...embora apanhe por tabela, prizemplo a minha prestação ao banco já aumentou 90€...isto é do pior memo...

    se no teu tempo de tomar decisões as coisas eram assim imagina candu xegar o tempo dos meus filhos as tomarem...

    nim é bom pensar nina...

    xinhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuus pa tu da lua

    ResponderEliminar
  6. dra nanny, ah pois agora é assim.

    a menina devia saber melhor que ninguem que em Portugal o Estado tem a culpa de tudo, nós cidadãos votamos nos gajos, mas depois não temos culpa nenhuma, ainda agora o Zé Engenheiro era o maior e hoje ? Mas quem votou nele ? E u não fui.
    Portugal é uma país que vota contra, não vota por convicção, vais ver quem ganha as próximas eleições.
    Aqui ao lado, Espanha, e não, não concordo com o marida da Pilar, eles tiveram 5 governos, enquanto nós já vamos quase me 30, e em Espanha eles acordos de regime, ou seja o que interessa é o país.

    Epá escrevi pa caraças, estavamos a falar de quê ?

    Não sei, mas a culpa é do zé Engenheiro.

    ResponderEliminar
  7. só porque já deves ter tido varias ameaças, eu vou pousar a pedra que tinha pronta! :D

    tens razão mas é mais facil culpar alguém do que assumir algo!

    ResponderEliminar
  8. Bem, começando pelos jovens que acabam o secundário! Lembro-me que na altura em que fiz a inscrição para a faculdade, havia gente muito consciente dos cursos que queria seguir, das instituições que poderia frequentar ou até mesmo das saídas profissionais! Por outro lado, havia aqueles que nem sabia o que lá estavam a fazer!

    Há uma enorme desvalorização da função da escola desde o 5º ano até ao 2º Período do 12º Ano (sim, porque só no 3º Período é que o pessoal cai na real que vai ter exames e que as médias contam)! Não sei se isso se deve à desmotivação dos cursos de ensino, mas é essa a verdade! É claro que depois há escolas e escolas...
    Quanto aos professores, como se costuma dizer já são mais que as mães! Acho que hoje em dia já não há estudante nenhum que ainda seja parvo o suficente para envergar por um curso cuja finalidade é a de ser professor!
    Há que saber aliar o que se gosta com as saídas profissionais que temos...
    Mas esta é apenas a minha opinião!

    ResponderEliminar
  9. E uma opinião muito bem fundamentada, a qual eu também partilho.

    Espreita-me, tenho um desfio para ti.

    ResponderEliminar
  10. Optar é, sem dúvida, uma das mais difíceis decisões. Porque se escolhemos uma via deixamos outra(s) para trás, mas a vida é cheia de escolhas (com todas as suas consequências), por isso concordo plenamente com a tua opinião, embora reconheça a dificuldade que existe, nos dias de hoje, em escolher com responsabilidade.
    Carla

    ResponderEliminar
  11. Este merece uma resposta longa...LOL

    1º És mesmo convencida, pá. Só para mostrar que lês o jornal de negócios...lolol...brincadeira

    2º Odeio.....odeio mesmo.....estarem constantemente a culpar o governo por tudo o que corre de mal nas vidas das pessoas. Eu acredito profundamente que cada pessoa tem o poder de mudar o rumo da sua vida se se REALMENTE empenhar nisso.

    3º De que adianta tentar descobrir de quem é a culpa da situação, em vez de tentar resolver o problema???

    4º Muita gente não sabe é que é preciso fazer o que não se quer fazer para se ter o que se quer ter. Por causa disso nunca saem da zona de conforto e passam a vida cheios de medo de falhar em vez de arriscar num caminho desconhecido mas que os pode levar ao sucesso.

    5º De quem é a culpa da situação em que está??? Ainda é preciso perguntar??? A resposta é obvia: olhem para o espelho e vejam o culpado.

    Ganda Nanny !! ;)

    ResponderEliminar
  12. a vida é feita de opções umas boas, outras piores, outras ainda de que nos arrependemos o resto da vida....

    ResponderEliminar
  13. Com os meus telhados de vidro...?

    Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Zénite

    :P
    Acho que médicos em excesso... só lá ara o século XXII

    O meu segredo resume-se a substituir a televisão pelo computador, ao serão. Mesmo com 40 canais já pouca coisa me prende a atenção :D

    Não respondi aos comentários na continuação do teu texto porque achei que deverias ser tu a fazê-lo :P

    Acho que mais valia escreveres um livro... mas a Maria é capaz de pagar mais...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Unisedil

    Não! Muito pelo contrário! O dele lê-se com á (acentuado) e o meu com a fechado... do inglês: Ama

    E já agora, tenha cuidado com a automedicação, ou ainda adormece atrás de algum volante :D

    ResponderEliminar
  16. Sandra

    Ai, ai! 90€? A minha já aumentou bem mais :S

    Não te preocupes que os teus gajitos têm muito mais apoio e informação do que nós alguma vez tivémos! E um bom apoio parental é meio caminho andado :D

    Beijinhos da gata para a Lua

    ResponderEliminar
  17. Engº Francis, posso tratá-lo por engenheiro? lol

    Pois é... neste País somos um bocado do contra... ehehehe... até já o PSD anda a falar contra as medidas que o PS toma e que foram preconizadas por eles (PSD) durante décadas... até me ía caindo tudo ao chão quando ouvi o minorca a defender uma descida dos impostos... acho que o Sá Carneiro deve ter dado 10 voltas na cova... sempre deve ter feito uma brisa fresca para os vizinhos dos lados...

    Mas no que diz respeito ao curso que se escolhe, não se pode agir do contra, porque só será contra nós próprios!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Vício

    Não me digas que ainda andas agarrado àquela pedra desde a altura do Natal???!!!!

    É sempre mais fácil tirar o curso que nos apetece, no fim concorrer ao ensino, não ser colocado e dizer: SOU UM PROFESSOR DESEMPREGADO!

    Ah! Pois é!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  19. Capitão

    Obrigada!
    Venha daí um copito e não se fala mais no assunto :D

    Beijocas

    ResponderEliminar
  20. Raposinho

    Rapaz! Tu andas perdido da realidade!!!

    Faz lá uma sondagem a saber quais os cursos que a malta frequenta!

    Basta ires ali à cidade universitária e veres as centenas de malta a sair da faculdade de letras - Línguas, Linguísticas, História, Geografia ou mesmo Biologia, Química... o que é que aquela malta pensa que vai fazer???? Ensino com eles, só pode!

    Mesmo em Direito já há superavit, quanto mais nestes cursos!

    E como queres tu que pessoas que não têm vocação sejam bons pedagogos? Se calhar muito se esforçam eles para serem razoáveis...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  21. Carla

    Temos de aprender desde cedo que há escolhas e consequências... não adianta culpar os outros...

    Quando escolhemos não estudar, temos negativas... quando escolhemos não nos esforçar para recuperar, chumbamos o ano... quando escolhemos estudar o que nos apetece sem olhar para a futuro... vamos para professores no desemprego... sei lá!

    ResponderEliminar
  22. Jedi
    :D
    1- Eu já sabia....
    2- Concordo contigo... temos de ser responsáveis pelos nossos actos e decisões e não andar à procura de alguém a quem atribuir as culpas. Eu também podia ficar na minha zona de conforto e passar os serões em casa, no meu sofá ou aqui ao computador... mas domingo vou pegar na mala e "abalar" para trás dos montes durante 5 dias e 5 noites... pois... muita gente não quereria o meu trabalho, mas eu gosto do que faço... se tenho de fazer sacrifícios pelo meio, paciência!

    3- Quando olho para o espelho não desgosto do que vejo... :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  23. Eu mesma!

    Mas pelo facto de nos arrependermos não quer dizer que fiquemos inertes e não tentemos mudar a vida... e se possível abrir os olhos a algumas pessoas...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Lb

    eheheheheh

    Somos uns críticos :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  25. cara Nanny a culpa neste país ou é de todos (como nos divorcios) ou morre solteira (como na politica), mas há outras questões que devem ser levantadas para que analise não inquine, por exemplo:
    a) já pensou que os jovens têm que decidir a carreira à entrada para o secund´+ario? sabe com que idade, se tivermos falando de um alunos ou aluina que nunca perdeu? sabe quantos anos pode significar um arrependimento nestes destes se já estiverem no 12º ano?;

    b) claro que é fácil dizer que se requalifique, mas já pensou se todos os que ensinam saissem do ensino?

    por mim se não fosse uma cota acabado fazia isso e manda a Ministra trabalhar, já que isso ela nem sabe o que é....


    contudo, gostei da análise..

    ResponderEliminar
  26. quanto ao artigo que se refere, deixe-me que discorde de si, o seu é melhor, apesar de ser uma leitura parcial

    ResponderEliminar
  27. Visconde

    Caríssimo! Bons olhos o leiam! :D

    Se já pensei a idade com que tem de se fazer a 1ª opção???
    Claro que sim! Foi exactamente com essa mesma idade que eu tive de escolher! E lhe garanto eu que, na altura, não tive tanto apoio nem tanta informação como os jovens têm hoje!

    Mas porque diabo haveriam, todos aqueles que ensinam, de abandonar o ensino?
    Se gostam do que fazem, se são bons profissionais, devem continuar! Agora não continuem a descarregar novas candidaturas ao ensino no ministério... é que eles não devem ter lá nenhuma fábrica de postos de trabalho, nem de escolas... de que me serve a mim enviar curriculos para uma empresa que sei, de antemão, que está a despedir pessoal...?

    E essa leitura parcial... foi do meu post, ou do referido artigo? hihihi

    Beijos de gata para si cavalheiro cota

    ResponderEliminar
  28. Quando terminei o secundário nem haviam testes vocacionais.

    É claro que somos responsáveis pelos nossos actos... que muitas vezes são condicionados pelo meio socio-económico que nos envolve.

    Apenas quero dizer que a resposta a uma questão destas nunca poderá ser linear nem sairá dum tubo de ensaio.

    Francis, Barbiku

    ResponderEliminar
  29. Tens toda a razão, ora como é que os professores hão-de conseguir colocação se o governo fecha escolas até mais não!?

    Na escola dos meus filhos haviam dois horários, o da manhã e o da tarde, agora só vai haver o horário da manhã, o que é que isto quer dizer?Dispensa de professores, só pode!!!

    Votaram no carinha de anjinho?
    Agora aguentem-se, que eu que não votei nele, tenho que me aguentar tb por causa dos que nele votaram, e o zé povinho é tão estúpido que se fôr preciso nas próximas eleições ainda votam nele outra vez!!!!

    ResponderEliminar
  30. Francis

    Não tenho dúvidas que os jovens, hoje, estão muito mais bem apoiados e acompanhados do que nós alguma vez estivemos. E logo desde a pré-primária...

    Claro que não resposta nem soluções lineares... nem eu pretendi ser simplista, mas é certo que considero insano que se continuem a frequentar cursos cuja única saída plausível é o ensino!

    Um beijo pensativo

    ResponderEliminar
  31. Obviamente que não podemos desresponsabilizar-nos pelas opcões que fazemos, mas existem outras coisas que estão um pouco para além das nossas opções.

    Este é um assunto que tem "pano para mangas".

    marinheiroaguadoce a navegar

    ResponderEliminar
  32. Alfabeta

    Penso que também aí o problema é mais profundo e mais complexo... se não, vejamos:

    A geração dos meus pais teve menos filhos que a dos meus avós, e a minha ainda teve menos... logo o nº de crianças é menor hoje do que era há 50, 40 ou 30 anos... por outro lado as necessidades criadas pela entrada massiva das mulheres no mercado de trabalho, levou à proliferação de escolas particulares que têm horários mais compatíveis com o trabalho dos pais... para agravar a situação a escola pública não se adaptou a esta realidade, ficando assim os seus alunos em desvantagem em relação aos do privado...

    Será sustentável continuar a manter abertas escolas com meia dúzia de alunos? Ter 5 ou 6 crianças dos 4 anos do ensino básico, na mesma sala de aulas a ser ensinado em simultâneo pelo mesmo professor? Isto não é ficção, eu conheço ao vivo alguns casos!

    As razões que justificam estes acontecimentos são transversais à sociedade e muito mais profundas que qqr debate que aqui possamos fazer... apenas te posso dizer que, tal como o governo, tb no meu trabalho temos por vezes de tomar decisões difíceis de encerrar ou abrir apenas a tempo parcial unidades que não são rentáveis ou têm pouco movimento... porque será que o entendemos no privado e o repudiamos no público???

    Beijocas, que já me alonguei!

    ResponderEliminar
  33. Marco ferreira
    (isso é nome de jogador de futebol, não é?)

    Estavas tu a dizer que isto dava pano para mangas e eu para aqui a estender a manga a responder à Alfabeta :D

    Pois é! O assunto é complexo e cheio de dados entrecruzados, caso contrário não se falaria tanto sobre ele, não é?

    Beijocas e benvindo por cá

    ResponderEliminar
  34. O Sr Visconde não terá trocado as palavras entre ideias de ideais? A culpa é de todos, como nos divórcios, ou morre solteira, como na política? Não são os divórcios que levam à morte a solteira? E não são os políticos todos iguais?
    Ainda sobre isto, recordemos Woody Allen que disse: a única vez em que a minha mulher e eu tivémos um orgasmo simultâneo foi quando o juiz nos concedeu o divórcio.

    Agora terei os poderosos amigos do visconde "à perna". Poderá a Dra Nanny dar-me uma ajuda? :))

    ResponderEliminar
  35. É fácil culpar os outros e o Governo ainda mais embore não estejam isentos de culpa, pelo contrário!
    Quanto aos professores, é um misto de culpas... digo eu.. mas não quero adiantar muito pois é um pouco como marido e mulher: não metas a colher.. ou seja... não sei muito onde começou o problema... os professores escolhem a profissão, mas vagas não existem assim tantas e por vezes, tão longe de casa de cada um deles..
    enfim...::(
    Beijinhossssssssss

    ResponderEliminar
  36. R

    O Sr. Visconde que lhe responda... ou os seus poderosos amigos que lhe "vão à perna"... eu, por mim, estou bem assim... hihihi

    E quanto a interceder por um estranho(a) perante o Sr. Visconde ou os seus influentes amigos... vou ali e já venho, tá?

    ResponderEliminar
  37. Shelyak

    Este é daqueles problemas complexos... mas os jovens têm de acordar para a realidade...

    Beijinho

    ResponderEliminar

Agora é a tua vez... diz lá!